Exposições

Uma seleção de exposições no Brasil para quem gosta de fotografia

Publicado em: 07 de novembro de 2019

Veja uma seleção de exposições no Brasil (e, aqui, no exterior) para quem gosta de fotografia:

São Paulo

 

Em curso – Márcia Beltrão

A exposição é parte do projeto Nova Fotografia 2019, que selecionou seis trabalhos inéditos para exibição no MIS durante o ano. Em curso foi realizada a partir da observação da fotógrafa entre o trem, o Rio Pinheiros e sua paisagem, que convivem lado a lado, atravessando parte da cidade de São Paulo. “Ao fotografar o percurso que o trem faz nas margens desse rio, me remeto à experiência cinematográfica, em que as janelas servem como “frames”, que se repetem e contam histórias. As histórias dessa cidade e das pessoas que por ela passam”, descreve a fotógrafa.

MIS, até 1 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Kurt Klagsbrunn: Faces da cultura, retratos de um tempo

Mostra inédita do fotógrafo Kurt Klagsbrunn apresenta um panorama artístico e cultural do Rio de Janeiro nas décadas de 1940 e 1950. Nascido em Viena, numa família judia de classe média que embarcou para o Brasil quando a Áustria foi invadida pelo exército nazista, Klagsbrunn chega ao Rio de Janeiro como refugiado, em 1939. As suas fotografias cobrem o amplo e diversificado circuito artístico e cultural da época – ateliês, exposições, solenidades diversas – evidenciando a existência de redes de artistas e intelectuais ativas e organizadas.

Centro Cultural Fiesp, até 15 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Fernando Lemos – mais a mais ou menos

A exposição apresenta uma seleção de obras do artista português Fernando Lemos, em especial os trabalhos fotográficos em que retrata intelectuais e artistas ligados ao movimento surrealista e também imagens cotidianas, transformadas por efeitos de luz. A mostra reúne 86 obras de Fernando Lemos, entre desenhos, fotografias, cartões postais e pinturas realizadas desde a década de 1940 até os dias atuais. Leia no site da ZUM entrevista com o artista Fernando Lemos.

Sesc Bom Retiro, até 26 de janeiro de 2020

Mais informações aqui.

 


Adrià Julià: Nem mesmo os mortos sobreviverão

Primeira exposição individual do artista espanhol no Brasil, a mostra Adrià Julià: Nem mesmo os mortos sobreviverão, coloca em questão as implicações das técnicas de reprodução, impressão e autenticação que pautaram a organização do fluxo das imagens nos primórdios da fotografia. Desde 2011, Julià tem pesquisado sobre os experimentos fotográficos, por vezes fracassados, de Hercule Florence (Nice, 1804 – Campinas, 1879), que se estabeleceu no Brasil no século 19.

Pinacoteca, até 16 de fevereiro de 2020

Mais informações aqui.

 


Susan Meiselas – Mediações

Retrospectiva da fotógrafa norte-americana Susan Meiselas (1948) reúne obras de 1970 até os dias de hoje. Integrante da agência Magnum desde 1976, Meiselas tornou-se conhecida principalmente pelo trabalho em zonas de conflito na América Central, em especial por suas poderosas fotos da revolução sandinista na Nicarágua. Cobrindo uma vasta gama de temas – direitos humanos, identidade cultural e indústria do sexo, por exemplo –, ela mistura fotos com filmes, vídeos, documentos e imagens de arquivo para construir relatos que têm os fotografados como protagonistas.

IMS Paulista, até 1 de março de 2020

Mais informações aqui.

 


Sob ataque – Coletivo Garapa

Idealizada pelo coletivo Garapa, a exposição é uma iniciativa que se debruça sobre o território hoje conhecido como Cracolândia, em São Paulo. O projeto mapeia, a partir da fotografia do imóvel da Rua Helvetia, 2, bombardeado durante a Revolução Paulista de 1924, outras explosões e eventos de violência ocorridos naquele espaço desde então.

A mostra reúne uma iconografia vinda de diferentes acervos documentais, como os do Instituto Moreira Salles, da Fundação Energia e Saneamento e da própria Casa da Imagem, além de registros fotojornalísticos contemporâneos. Entre as imagens de arquivo, duas se destacam de modo especial: um postal de Gustavo Prugner, de 1924 (cedido pelo IMS), e uma reprodução do panorama de Valério Vieira, de 1922. Além destas imagens, fazem parte da exposição um conjunto de fotografias criadas pelo Coletivo Garapa a partir da encenação de explosões na região, registros históricos sem autoria declarada e imagens de fotojornalistas contemporâneos.

Casa da Imagem, até 15 de março de 2020

Mais informações aqui.

 


Rio de Janeiro

 

Claudia Andujar – A luta Yanomami

 

A retrospectiva da obra de Claudia Andujar dedicada aos Yanomami, indígenas ameaçados de extinção, ocupa dois andares do IMS Paulista com aproximadamente 300 imagens e uma instalação da fotógrafa e ativista, além de livros e documentos sobre a trajetória do povo em busca de sobrevivência. O conjunto traça um amplo panorama do longo trabalho de Andujar junto aos Yanomami, retomando aspectos pouco conhecidos da luta da fotógrafa pela demarcação de terras indígenas, militância que a levou a unir sua arte à política.

IMS Rio, até 17 de novembro

Mais informações aqui.


Belo Horizonte

 

Exposição Vento Sul | Foto em Pauta

Fotógrafos profissionais, iniciantes ou intermediários do Sul do país são os autores das imagens de Vento Sul, exposição que integrou, em março, a programação do 9º Festival de Fotografia de Tiradentes, reunindo obras de 31 artistas de Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC) e Curitiba (PR). A partir da viagem pelas três cidades e encontros com mais de 100 artistas, os curadores e fotógrafos João Castilho e Pedro David selecionaram trabalhos que formam três eixos expográficos centrais, explorando a pintura, o intimismo e a paisagem.

Casa da Fotografia de Minas Gerais, até 11 de janeiro 2020

Mais informações aqui.

 


Chichico Alkmim, fotógrafo

A exposição abrange a totalidade da produção do fotógrafo em Diamantina (MG), sua cidade natal. São 251 obras feitas na primeira metade do século passado e que narram visualmente a construção social, racial e histórica do povo mineiro. A mostra é realizada em parceria com o IMS, e já passou pelas três sedes do Instituto (Rio de Janeiro, São Paulo e Poços de Caldas).

Palácio das Artes, até 23 de fevereiro

Mais informações aqui.

 


Fortaleza

 

Bob Wolfenson: Retratos

Ao longo de quase 50 anos de carreira, a mostra compreende e mistura diferentes núcleos: personalidades da cultura, do esporte, da política e da moda, com fotos produzidas para editoriais ou por iniciativa do fotógrafo. Entre os retratados, nomes como Hélio Oiticica, Fernanda Montenegro, Caetano Veloso, Taís Araújo, Marília Gabriela, Lázaro Ramos, Camila Pitanga, Caio Fernando Abreu [foto], Ludmilla, Laerte, Zé Celso, Lula, Fernando Henrique Cardoso, Paulo Maluf, Luiza Erundina, Eduardo Suplicy, Pelé, Ronaldo e muitos outros.

Museu da Fotografia Fortaleza

Mais informações aqui.

 


Poços de Caldas

 

São Paulo, fora de alcance

A exposição é o resultado de muitas caminhadas diárias que o fotógrafo realizou durante cerca de três meses em bairros centrais e periféricos, como Brás, República, Pinheiros, Vila Congonhas e Itaquera. Conhecido pelas séries fotográficas que desenvolve em torno de questões urbanas de relevância histórica, política e arquitetônica, Restiffe produziu centenas de fotografias com a câmera Leica e o filme preto e branco de alta sensibilidade que fazem parte sua poética artística.

IMS Poços, até 15 de março de 2020

Mais informações aqui.

 

Tags: , ,