Radar

Uma seleção de exposições pelo mundo para quem gosta de fotografia

Publicado em: 07 de maio de 2018

Veja uma seleção de exposições no mundo (e, aqui, no Brasil) para quem gosta de fotografia:

Peter Hujar – Velocidade da vida

 

A vida e a obra de Peter Hujar (1934–1987) se confunde com a cidade de Nova York, onde registrou de forma combativa e engajada questões ligadas aos homossexuais, do levante de Stonewall em 1969 até a crise da AIDS dos anos 1980. A mostra Velocidade da vida apresenta um conjunto de 140 fotografias do artista, desde os trabalhos iniciais dos anos 1950 até o seu papel central na cena artística de vanguarda do East Village três décadas depois.

The Morgan Library & Museum, Nova York, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


August Sander – Retrato de uma sociedade

Esta exposição em cartaz em Viena apresenta os mesmos 70 retratos selecionados pelo próprio August Sander (1876-1964) para uma mostra em 1963, um ano antes de sua morte. As fotografias fazem parte do ensaio de Sander intitulado Pessoas do século 20, publicado originalmente em 1920. As imagens expostas estão divididas em sete seções, ressaltando diferentes classes sociais e profissões.

Museu WestLicht, Viena, Áustria, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


Ellen von Unwerth – Devoção! 30 Anos fotografando mulheres

 

O museu de fotografia de Estocolmo apresenta uma ampla retrospectiva da fotógrafa alemã Ellen von Unwerth, famosa por retratar celebridades e modelos para as mais importantes revistas de moda do mundo. As imagens das mulheres registradas por von Unwerth estão divididas em sete grupos na exposição:  Amar, Brincar, Poder, Gênero, Desejo, Paixão e Drama.

Museu Fotografiska, Estocolmo, Suécia, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


A fotografia francesa existe… e eu a encontrei!

 

Na virada da década de 1980, Jean-Luc Monterosso, que ainda não era diretor da Casa Europeia de Fotografia (MEP), foi até Nova York e lá conheceu o então curador de fotografia do MoMA. Ao perguntar-lhe o que este achava da fotografia francesa contemporânea, a resposta veio seca e direta: “Não existe”. Mais de trinta anos depois, e agora como diretor da MEP, Jean-Luc Monterosso responde com uma importante exposição da fotografia francesa de 1980 até os dias de hoje a partir do acervo da instituição. A mostra traz nomes como Raymond Depardon, Mathieu Pernot, Pierre e Gilles, Bernard Plossu, Bettina Rheims, Denis Roche e Christine Spengler, entre outros. [foto de Pierre e Gilles]

Casa Europeia da Fotografia, Paris, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


Susan Meiselas – Mediações

 

Ampla retrospectiva do trabalho da fotógrafa norte-americana Susan Meiselas (1948), reunindo uma seleção de fotografias dos anos 1970 e até hoje. Parte da agência Magnum desde 1976, Meiselas é conhecida por suas imagens de zonas de conflito da América Central nas décadas de 1970 e 1980.

Museu Jeu de Paume, Paris, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


Ed van der Elsken

O fotógrafo holandês Ed van der Elsken percorreu as ruas das grandes cidades do mundo: Paris, Amsterdã, Tóquio, Hong Kong e tantas outras. Em busca de personagens característicos, principalmente jovens marginalizados, o fotógrafo desenvolveu um estilo de próprio de ver as cidades e suas mudanças no pós-guerra.

Fundação Mapfre, Madri, até 20 de maio

Mais informações aqui.

 


Stephen Shore

A retrospectiva Stephen Shore engloba os últimos 50 anos de carreira do fotógrafo norte-americano. Conhecido por capturar com maestria os aspectos mais mundanos da cultura americana, esta exposição em cartaz no MoMA traz também diferentes formatos explorados por Shore, como câmeras descartáveis, de grande formato, digitais e até mesmo mídias sociais.

MoMA, Nova York, até 28 de maio

Mais informações aqui.

 


Disfarces: Uma história secreta do travestismo

 

Feita a partir do extenso arquivo pessoal do cineasta e colecionador de fotografias Sébastien Lifshitz, esta exposição de fotografias amadoras encontradas na Europa e Estados Unidos explora questões de gênero e travestismo. As fotos, na sua grande maioria de pessoas anônimas e desconhecidas, datam de 1880 em diante, tendo sido coletadas principalmente em mercados de pulgas, vendas de garagem e sites como o eBay.

Photographers Gallery, Londres, até 3 de junho

Mais informações aqui.

 


Memória e luz: fotografia japonesa, 1950-2000

 

Como parte da Bienal de Fotografia de 2018, o Museu de Arte Multimídia de Moscou apresenta a exposição Memória e luz: fotografia japonesa, 1950-2000.  A mostra apresenta os trabalhos dos mais importantes fotógrafos japoneses do pós-guerra, como Nobuyoshi Araki, Masahisa Fukase, Hiro, Eikoh Hosoe, Daido Moriyama, Hiroshi Sugimoto, Shomei Tomatsu, Shoji Ueda e Hiroshi Yamazaki. [foto de Daido Moriyama]

Museu de Arte Multimídia de Moscou, Rússia, até 3 de junho

Mais informações aqui.

 


O trem: A última jornada de RFK

No dia 8 de junho de 1968, três dias após o assassinato de Robert F. Kennedy, seu corpo foi transferido de trem de Nova York para Washington D.C. para o sepultamento no cemitério de Arlington. A exposição em cartaz no MoMA de São Francisco aborda este evento a partir de três diferentes trabalhos: as fotografias feitas por Paul Fusco de dentro do trem; as fotografias e filmes caseiros feitas pelos espectadores e coletadas pelo artista holandês Rein Jelle Terpstra em seu projeto A visão do povo (2014–18); e a filmagem do trajeto original realizada em 70 mm pelo francês Philippe Parreno. [fotografia de Paul Fusco]

MoMA de São Francisco, até 10 de junho

Mais informações aqui.

 


Monsanto: Uma investigação fotográfica

O fotógrafo francês Mathieu Asselin vem investigando o impacto das atividades da multinacional Monsanto por mais de cinco anos. O resultado é o livro Monsanto: uma investigação fotográfica e também uma exposição de mesmo nome. Asselin fotografou desde os depósitos de lixo da empresa nos Estados Unidos até vítimas americanas e vietnamitas do gás tóxico Agente Laranja, juntamente com anúncios publicitários, notícias recortadas e outras fontes de informação para dar conta das ações da multinacional ao longo de sua centenária história. O livro ganhou o prêmio de melhor publicação da editora Aperture em 2017 e o fotógrafo é um dos finalistas Deutsche Börse de 2018.

FOMU, Antuérpia, Bélgica, até 10 de junho

Mais informações aqui.

 


1978: Os parques da cidade de Nova York

Em 1978, em meio à greve dos jornais de Nova York, o departamento de parques da cidade contratou oito fotógrafos do jornal The New York Times para registrar a vida cotidiana dos parques da cidade entre os meses de agosto e novembro daquele ano. Engavetadas desde então, só agora um conjunto de 60 imagens chega ao grande público.

Arsenal Gallery, Nova York, até 14 de junho

Mais informações aqui.

 


Seydou Keïta – Bamako Portraits

Nos anos 1950 e 1960, muitos dos habitantes de Bamako, capital do Mali, foram até o estúdio de Seydou Keïta (1921-2001) para posar com as suas melhores roupas, penteados e pertences que demonstrassem o novo status social, como rádios e motos.  O arquivo de mais de 10 mil negativos de Keïta veio à luz em 1992, pelas mãos do curador André Magnin, então responsável pela coleção de fotografia contemporânea de Jean Pigozzi. Parte desses retratos são agora expostos no museu FOAM de Amsterdã.

FOAM, Amsterdã, até 20 de junho

Mais informações aqui.

 


Sobre fotografia

A galeria Gagosian de São Francisco apresenta uma exposição dedicada a explorar as diferentes maneiras que artistas utilizaram a fotografia como meio para expressar outras formas artísticas. A mostra quer mostrar o caráter abrangente da fotografia enquanto mídia e fenômeno que alterou a natureza da prática artística, como nomes como Diane Arbus, Richard Avedon, Ralph Gibson, Nan Goldin, Douglas Gordon, Andreas Gursky, Sally Mann, Robert Mapplethorpe, Richard Prince, Robert Rauschenberg, Man Ray, Ed Ruscha, Cindy Sherman, Patti Smith, Cy Twombly, Jeff Wall e Andy Warhol.

Galeria Gagosian, São Francisco, até 23 de junho

Mais informações aqui.

 


Fred Stein – Tempos modernos

Com uma seleção de 30 impressões originais, o museu Kupferstich-Kabinett, de Dresden, comemora a obra do fotógrafo local Fred Stein (1909-1967). Stein foi um dos representantes do movimento conhecido como Nova visão. Inovador, o fotógrafo buscou registrar de forma diferente as questões sociais das grandes cidades, como Nova York, que adotou após sua fuga da Alemanha nazista dos anos 1930.

Museu Kupferstich-Kabinett, Dresden, Alemanha, até 25 de junho

Mais informações aqui.

 


Irving Penn – Centenário

A maior retrospectiva até hoje do grande fotógrafo norte-americano Irving Penn (1917-2009), esta exposição comemora o centenário de nascimento do artista. Com quase 70 anos de carreira, Penn foi um dos grandes mestres do retrato, fotografando com extrema atenção a detalhes de composição, luz e estilo.

CO/Berlin, Alemanha, até 1 de julho

Mais informações aqui.

 


Sara Facio – Perón

O Malba de Buenos Aires apresenta o trabalho da fotógrafa argentina Sara Facio (1932) sobre Juan Domingo Perón, realizado entre 1972 e 1974, um registro documental em torno do peronismo.  São 115 fotografias, a maioria delas inéditas, selecionadas especificamente para esta exposição em conjunto com a própria fotógrafa.

Malba, Buenos Aires, até 30 de julho

Mais informações aqui.

 


Ser: Nova fotografia 2018

Stephanie Syjuco (EUA, nascida nas Filipinas, 1974), na série Culto à carga e fotos de passaporte (Migrantes), reinterpreta o padrão do retrato etnográfico do século 19 e o formato onipresente da fotografia de passaporte. Stephanie Syjuco. Cargo Cults: Head Bundle. 2013-16. Cortesia da artista e da Galeria Catharine Clark, São Francisco e da Galeria Ryan Lee, Nova York. © 2018 Stephanie Syjuco

A exposição do MoMA de Nova York apresenta trabalhos de 17 novos artistas de dez países diferentes, entre eles a brasileira Sofia Borges, ganhadora da Bolsa ZUM/IMS de Fotografia em 2017. Em sua 24ª edição, a mostra deste ano partiu da pergunta “como a fotografia pode capturar o que significa ser humano?” para selecionar visões que desafiem as convenções do retrato fotográfico.

MoMA de Nova York, até 19 de agosto

Mais informações aqui.

 


Araki incompleto: Sexo, vida e morte nos trabalhos de Nobuyoshi Araki

Uma grande retrospectiva do prolífico fotógrafo japonês Nobuyoshi Araki está em cartaz em Nova York. Além das 150 fotos, 400 livros e 500 polaróides, a exposição é acompanhada de depoimentos de colaboradores, musas e críticos da obra do artista, dando um contexto social e político para a obra de Araki no Japão do pós-guerra.

Museu do sexo, Nova York, até 31 de agosto

Mais informações aqui.

 


Lola Álvarez Bravo

Uma das importantes figuras da história da moderna arte mexicana, a fotógrafa Lola Álvarez Bravo (1903-1993) tem uma mostra de seus trabalhos apresentados pelo museu Preus, na Noruega.

Museu Preus, Horten, Noruega, até 2 de setembro

Mais informações aqui.

 


No começo: As fotografias de Minor White no Oregon

Dividida em duas fases, a exposição No começo: As fotografias de Minor White no Oregon, em cartaz no Museu de Arte de Portland, apresenta trabalhos importantes do fotógrafo. A primeira fase, que vai até o dia 6 de maio, apresenta cerca de 60 fotografias de paisagens industriais, cenas noturnas e imagens de Minor White conduzindo workshops no Oregon no final dos anos 1950. A segunda fase, entre 12 de maio e 21 de outubro, mostrará cenas de rua em Portland, imagens do interior do Oregon e fotografias de duas casas históricas fotografadas por White para o museu de Portland em 1942.

Museu de Arte de Portland, Oregon, até 21 de outubro

Mais informações aqui.

 


Diane Arbus: Uma caixa de dez fotografias

 

No final de 1969, a fotógrafa norte-americana Diane Arbus começou a trabalhar na organização de um portfólio. Quando suicidou-se, em 1971, Arbus havia completado a impressão de oito séries de Uma caixa de dez fotografias, de um total de 50 planejadas previamente. Desse total, apenas quatro foram vendidas por ela ainda em vida. Além de mostrar as imagens da fotógrafa, essa exposição do Smithsonian conta a história de Uma caixa de dez fotografias entre os anos de 1969 e 1973.

Museu Smithsonian, Washington, até 27 de janeiro de 2019

Mais informações aqui.

 

 

Tags: , ,