Exposições

Uma seleção de exposições no Brasil para quem gosta de fotografia

Publicado em: 06 de dezembro de 2017

Veja uma seleção de exposições no Brasil (e, aqui, no exterior) para quem gosta de fotografia:

 São Paulo

 

Cumbica: Tuca Vieira

Cumbica, do fotógrafo Tuca Vieira, mostra seis fotografias panorâmicas realizadas durante expedição que circundou a fronteira entre o Aeroporto de Guarulhos e os bairros do entorno. O trajeto de mais de 20 quilômetros foi percorrido de bicicleta a convite dos editores do projeto Contracondutas. O trabalho se insere na programação da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo e propõe uma reflexão sobre os espaços desconhecidos, anônimos, inóspitos e descontinuados dos limites entre essa grande obra de infraestrutura, erguida na década de 1980, e seu entorno imediato.

Casa do Povo, até 27 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Levantes

Com curadoria do filósofo e historiador da arte Georges Didi-Huberman, a exposição Levantes apresenta, sob a perspectiva das emoções coletivas, as diferentes formas de representação dos levantes, atos populares, políticos, engajados nas transformações sociais, nas revoltas e/ou revoluções. A partir de fotografias, vídeos e a poesia dos Manifestos Pau-Brasil e Antropofágico de Oswald de Andrade e do movimento dos parangolés de Hélio Oiticica, dentre outras obras, a exposição demonstra as múltiplas maneiras de transformar quietude em movimento, submissão em revolta, renúncia em alegria expansiva. Leia aqui entrevista com Didi-Huberman sobre a exposição em cartaz em São Paulo.

Sesc Pinheiros, até 28 de janeiro de 2018

Mais informações aqui.

 


Históricas da sexualidade

Histórias da sexualidade apresenta mais de 300 obras e cerca de 130 artistas, tanto do acervo do Masp, quanto de coleções brasileiras e internacionais, incluindo desenhos, pinturas, esculturas, filmes, vídeos e fotografias, além de documentos e publicações, de arte pré-colombiana, asiática, africana, europeia, latino-americana, entre outras. Entre os fotógrafos, destaque para Robert Mapplethorpe, Vania Toledo, Gaciela Iturbide, Miguel Angel Rojas, Paz Errázuriz e Philip-Lorca diCorcia, entre outros.

Masp, até 14 de fevereiro

Mais informações aqui.

 


Altamira, de Caio Reisewitz

A Pinacoteca expõe a série fotográfica Altamira, de Caio Reisewitz, em que o artista documenta a região da floresta de Belo Monte, delimitada pelo rio Xingú, que desaparecerá ao término da construção da terceira maior hidrelétrica do mundo na região. O trabalho de Reisewitz é mostrado ao lado da sala de pinturas de paisagem da mostra de longa duração da Pina, permitindo a reflexão sobre a representação da natureza no século 19 e na contemporaneidade.

Pinacoteca, até 5 de março de 2018

Mais informações aqui.

 


David Claerbout

A Pinacoteca também exibe duas videoinstalações do artista belga David Claerbout, cujo trabalho se baseia na manipulação digital de imagens fotográficas, permitindo o surgimento de movimentos muito sutis. O vídeo King é construído a partir de uma antiga fotografia do jovem Elvis Presley e a obra Pura necessidade é uma intervenção no desenho animado The Jungle Book, conhecido no Brasil por Mogli, o Menino Lobo.

Pinacoteca, até 5 de março de 2018

Mais informações aqui.

 


Rio de Janeiro

 

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964

A exposição Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964, em exibição no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, apresenta um panorama da fotografia de guerras civis e outros conflitos armados envolvendo o Estado brasileiro, entre a Proclamação da República e o golpe de 1964. A mostra conta com 338 imagens pertencentes a 30 coleções particulares e públicas de todo Brasil, além de fotografias do acervo do IMS. Conflitos contradiz a imagem de país pacífico que costuma ser associada ao Brasil e oferece um olhar retrospectivo sobre a história do país, trazendo à tona assuntos fundamentais para a compreensão da atual crise política. Alguns dos episódios abordados são a Revolução Federalista (1893-1894), a Revolta da Armada (1894-1895), a Guerra de Canudos (1896-1897), a Guerra do Contestado (1912-1916), a Coluna Miguel Costa-Prestes (1924-1927), a Revolução de 1930, motins populares na ocasião do suicídio de Getúlio Vargas e episódios violentos que ocorreram durante os primeiros dias do golpe de 1964.

Instituto Moreira Salles, até o dia 25 de fevereiro de 2018

Mais informações aqui.

 


Wishful Thinking – Miguel Rio Branco

A exposição Wishful Thinking, em cartaz no Oi Futuro, é composta de fotografias e instalações audiovisuais e imersivas, em que o artista expressa suas inquietações sobre os limites do ideal de civilização que ainda norteia a vida nas grandes cidades. Nos seus trabalhos mais recentes, Rio Branco tem se questionado sobre os sinais de falência da vida contemporânea e as possíveis alternativas para a vida do planeta.

Oi Futuro, até 28 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Raymond Depardon: Un moment si doux

 

O artista francês Raymond Depardon é tema de uma ampla retrospectiva no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio, com 165 fotografias e 28 filmes.  A exposição Un moment si doux traz fotografias foram tiradas em vários países da Europa, África e América Latina, incluindo Brasil. Produzidas entre 1950 e 2013, sendo a maior parte inédita, as imagens foram expostas entre 2014 e 2015 em Paris, Marselha, e, recentemente na Argentina.

CCBB, até 22 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Feito poeira ao vento

A exposição mostra parte do acervo de fotografia do Museu de Arte do Rio – MAR, com cerca de 250 imagens de 112 artistas, que vão desde o século 19 até os dias de hoje. Feito poeira ao vento apresenta trabalhos de nomes como Marc Ferrez, Kurt Klagsbrunn, Pierre Verger, Walter Firmo, Evandro Teixeira, Guy Veloso [imagem], Rodrigo Braga, Marcos Bonisson e Rogério Reis, entre outros.

Museu de Arte do Rio, até 1 de julho de 2018

Mais informações aqui.

 


 

Belo Horizonte

 

Diego e Frida: um sorriso no meio do caminho

A exposição Diego e Frida: um sorriso no meio do caminho apresenta cerca de 40 fotos de acervos pessoais de amigos e familiares dos artistas mexicanos Diego Rivera e Frida Kahlo, coletadas ao longo de 25 anos, desde o casamento, em 1929, até a morte de Frida, em 1954.  O casal mantinha grande amizade com personalidades da época, entre eles fotógrafos como Manuel Alvarez Bravo, Nicolás Murray e Edward Weston, que testemunharam fases diferentes da vida dos dois, incluindo os encontros e desencontros, as controvérsias e os problemas médicos de Frida.

Câmera Sete – Casa da Fotografia de Minas Gerais, até 18 de fevereiro

Mais informações aqui.

 

 

 

Tags: , ,