Exposições

Uma seleção de exposições no Brasil para quem gosta de fotografia

Publicado em: 06 de dezembro de 2017

Veja uma seleção de exposições no Brasil (e, aqui, no exterior) para quem gosta de fotografia:

 São Paulo

 

Cumbica: Tuca Vieira

Cumbica, do fotógrafo Tuca Vieira, mostra seis fotografias panorâmicas realizadas durante expedição que circundou a fronteira entre o Aeroporto de Guarulhos e os bairros do entorno. O trajeto de mais de 20 quilômetros foi percorrido de bicicleta a convite dos editores do projeto Contracondutas. O trabalho se insere na programação da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo e propõe uma reflexão sobre os espaços desconhecidos, anônimos, inóspitos e descontinuados dos limites entre essa grande obra de infraestrutura, erguida na década de 1980, e seu entorno imediato.

Casa do Povo, até 27 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Corpo a corpo

A exposição Corpo a corpo, que inaugura o novo IMS-Paulista, celebra a nova produção brasileira em fotografia, cinema e vídeo através de sete trabalhos de Bárbara Wagner, Coletivo Garapa, Jonathas de Andrade, Letícia Ramos, Mídia Ninja e Sofia Borges [imagem].

IMS Paulista, até 30 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Robert Frank: Os Americanos e Os Livros e os Filmes

O IMS Paulista apresenta, pela primeira vez no Brasil, Os americanos, de Robert Frank, um dos nomes mais importantes da história da fotografia. A série, com 83 fotografias em cópias da década de 1980, pertence à coleção da Maison Européenne de la Photographie e é uma das poucas séries completas da obra de Frank. A exposição traz também Os livros e os filmes, projeto desenvolvido em parceria com o editor Gerhard Steidl.

IMS Paulista, até 30 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Câmera aberta, de Michael Wesely

Câmera aberta é um projeto do artista alemão Michael Wesely iniciado em 2014 a convite do IMS. Wesely instalou seis câmeras – quatro analógicas e duas digitais – nas fachadas dos edifícios vizinhos à obra do IMS Paulista, que capturaram continuamente imagens das quatro faces do novo centro cultural sendo construído. As imagens foram captadas por meio de uma técnica desenvolvida pelo artista, que utiliza câmeras construídas por ele que permitem expor um mesmo negativo ao longo de muitos anos, condensando diversos momentos em uma única fotografia.

IMS Paulista, até 30 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Levantes

Com curadoria do filósofo e historiador da arte Georges Didi-Huberman, a exposição Levantes apresenta, sob a perspectiva das emoções coletivas, as diferentes formas de representação dos levantes, atos populares, políticos, engajados nas transformações sociais, nas revoltas e/ou revoluções. A partir de fotografias, vídeos e a poesia dos Manifestos Pau-Brasil e Antropofágico de Oswald de Andrade e do movimento dos parangolés de Hélio Oiticica, dentre outras obras, a exposição demonstra as múltiplas maneiras de transformar quietude em movimento, submissão em revolta, renúncia em alegria expansiva. Leia aqui entrevista com Didi-Huberman sobre a exposição em cartaz em São Paulo.

Sesc Pinheiros, até 28 de janeiro de 2018

Mais informações aqui.

 


Históricas da sexualidade

Histórias da sexualidade apresenta mais de 300 obras e cerca de 130 artistas, tanto do acervo do Masp, quanto de coleções brasileiras e internacionais, incluindo desenhos, pinturas, esculturas, filmes, vídeos e fotografias, além de documentos e publicações, de arte pré-colombiana, asiática, africana, europeia, latino-americana, entre outras. Entre os fotógrafos, destaque para Robert Mapplethorpe, Vania Toledo, Gaciela Iturbide, Miguel Angel Rojas, Paz Errázuriz e Philip-Lorca diCorcia, entre outros.

Masp, até 14 de fevereiro

Mais informações aqui.

 


Altamira, de Caio Reisewitz

A Pinacoteca expõe a série fotográfica Altamira, de Caio Reisewitz, em que o artista documenta a região da floresta de Belo Monte, delimitada pelo rio Xingú, que desaparecerá ao término da construção da terceira maior hidrelétrica do mundo na região. O trabalho de Reisewitz é mostrado ao lado da sala de pinturas de paisagem da mostra de longa duração da Pina, permitindo a reflexão sobre a representação da natureza no século 19 e na contemporaneidade.

Pinacoteca, até 5 de março de 2018

Mais informações aqui.

 


David Claerbout

A Pinacoteca também exibe duas videoinstalações do artista belga David Claerbout, cujo trabalho se baseia na manipulação digital de imagens fotográficas, permitindo o surgimento de movimentos muito sutis. O vídeo King é construído a partir de uma antiga fotografia do jovem Elvis Presley e a obra Pura necessidade é uma intervenção no desenho animado The Jungle Book, conhecido no Brasil por Mogli, o Menino Lobo.

Pinacoteca, até 5 de março de 2018

Mais informações aqui.

 


Rio de Janeiro

 

Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964

A exposição Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964, em exibição no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, apresenta um panorama da fotografia de guerras civis e outros conflitos armados envolvendo o Estado brasileiro, entre a Proclamação da República e o golpe de 1964. A mostra conta com 338 imagens pertencentes a 30 coleções particulares e públicas de todo Brasil, além de fotografias do acervo do IMS. Conflitos contradiz a imagem de país pacífico que costuma ser associada ao Brasil e oferece um olhar retrospectivo sobre a história do país, trazendo à tona assuntos fundamentais para a compreensão da atual crise política. Alguns dos episódios abordados são a Revolução Federalista (1893-1894), a Revolta da Armada (1894-1895), a Guerra de Canudos (1896-1897), a Guerra do Contestado (1912-1916), a Coluna Miguel Costa-Prestes (1924-1927), a Revolução de 1930, motins populares na ocasião do suicídio de Getúlio Vargas e episódios violentos que ocorreram durante os primeiros dias do golpe de 1964.

Instituto Moreira Salles, até o dia 25 de fevereiro de 2018

Mais informações aqui.

 


Wishful Thinking – Miguel Rio Branco

A exposição Wishful Thinking, em cartaz no Oi Futuro, é composta de fotografias e instalações audiovisuais e imersivas, em que o artista expressa suas inquietações sobre os limites do ideal de civilização que ainda norteia a vida nas grandes cidades. Nos seus trabalhos mais recentes, Rio Branco tem se questionado sobre os sinais de falência da vida contemporânea e as possíveis alternativas para a vida do planeta.

Oi Futuro, até 28 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Raymond Depardon: Un moment si doux

 

O artista francês Raymond Depardon é tema de uma ampla retrospectiva no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio, com 165 fotografias e 28 filmes.  A exposição Un moment si doux traz fotografias foram tiradas em vários países da Europa, África e América Latina, incluindo Brasil. Produzidas entre 1950 e 2013, sendo a maior parte inédita, as imagens foram expostas entre 2014 e 2015 em Paris, Marselha, e, recentemente na Argentina.

CCBB, até 22 de janeiro

Mais informações aqui.

 


Feito poeira ao vento

A exposição mostra parte do acervo de fotografia do Museu de Arte do Rio – MAR, com cerca de 250 imagens de 112 artistas, que vão desde o século 19 até os dias de hoje. Feito poeira ao vento apresenta trabalhos de nomes como Marc Ferrez, Kurt Klagsbrunn, Pierre Verger, Walter Firmo, Evandro Teixeira, Guy Veloso [imagem], Rodrigo Braga, Marcos Bonisson e Rogério Reis, entre outros.

Museu de Arte do Rio, até 1 de julho de 2018

Mais informações aqui.

 


Curitiba

 

Luz=Matéria

A exposição Luz=Matéria apresenta uma seleção de obras do acervo do Museu Oscar Niemeyer que têm como ponto comum a luz, de um lado e, de outro, a materialidade. São mais de 100 artistas, entre fotógrafos, pintores e gravuristas, com nomes como Claudio Alvarez, Alfredo Andersen, José Bechara, Maureen Bisilliat [imagem], Martin Chambi, Flavio Damm, Theodoro de Bona, Alberto Guignard, Julio Le Parc, Abraham Palatnik, Vik Muniz e Daniel Senise, entre outros.

Museu Oscar Niemeyer, até 31 de dezembro

Mais informações aqui.

 


Belo Horizonte

 

Diego e Frida: um sorriso no meio do caminho

A exposição Diego e Frida: um sorriso no meio do caminho apresenta cerca de 40 fotos de acervos pessoais de amigos e familiares dos artistas mexicanos Diego Rivera e Frida Kahlo, coletadas ao longo de 25 anos, desde o casamento, em 1929, até a morte de Frida, em 1954.  O casal mantinha grande amizade com personalidades da época, entre eles fotógrafos como Manuel Alvarez Bravo, Nicolás Murray e Edward Weston, que testemunharam fases diferentes da vida dos dois, incluindo os encontros e desencontros, as controvérsias e os problemas médicos de Frida.

Câmera Sete – Casa da Fotografia de Minas Gerais, até 18 de fevereiro

Mais informações aqui.

 

 

 

Tags: , ,