William Eggleston – a cor americana

O cineasta David Lynch fala sobre as fotografias de William Eggleston

Publicado em: 03 de junho de 2015
Do portfólio The Seventies: volume 2, 1972 © Eggleston Artistic Trust. Cortesia de Cheim & Read, Nova York.

Do portfólio The Seventies: volume 2, 1972 © Eggleston Artistic Trust. Cortesia de Cheim & Read, Nova York.

 

Até 28 de junho, a exposição William Eggleston, a cor americana está em cartaz no Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro. Esta é a maior exposição individual do fotógrafo norte-americano já realizada no mundo. Com curadoria de Thyago Nogueira, editor da revista ZUM e coordenador de fotografia contemporânea do IMS, a mostra reúne 172 obras das décadas de 1960 e 1970, considerados os anos de ouro do fotógrafo, incluindo as imagens mais famosas e outras pouco conhecidas do período. Veja o comentário do cineasta David Lynch sobre as fotografias de William Eggleston (em inglês, transcrição traduzida abaixo):

 

 

Bem, eu tenho que dizer que gosto de todas elas. Isso é importante dizer: eu gosto de todas elas. Mas se eu tivesse que escolher uma seria entre aquela ali, essa seria minha segunda opção, e em terceiro esse peixe.

Nós conversamos por cerca de três horas em um pequeno estúdio. Seu filho e filha estavam com ele, tivemos uma ótima conversa. Finalmente Winston, seu filho, disse “A gente realmente precisa.. Você sabe… A gente veio aqui pra você fotografar o David, e nós deveríamos fazer isso”. Então nós conversamos por outra hora, fomos dar uma caminhada e ele não tinha uma câmera. Winston estava com as câmeras dele. Então fomos a um certo ponto no jardim e de repente ele pegou a câmera com Winston – PÁ – e ele se moveu um pouco – PÁ –, moveu-se um pouco – PÁ – e foi o fim daquilo.

—   Como ficou a foto?

—   A foto ficou boa, fora de foco, mas boa.