Radar

Luigi Ghirri por Jorge Bodanzky

Publicado em: 05 de fevereiro de 2014
Palácio de Versalhes na França, 1985, Luigi Ghirri

Palácio de Versalhes na França, 1985, Luigi Ghirri

Uma das mais instigantes exposições de fotografia que vi recentemente foi a de Luigi Ghirri, com 200 fotos desse artista italiano que morreu antes de completar 50 anos. Difícil escolher, mas talvez por ter me levado a pensar, elegi a que se intitula Palácio de Versalhes na França, de 1985, como a minha preferida. Ela se sobrepôs instantaneamente a imagens que eu retinha na memória do filme de Alain Resnais  O Ano passado em Marienbad. Pessoas estáticas, com suas sombras bem marcadas, esmagadas pela grandiosidade desse cenário de palácio e jardins que as tornam minúsculas, aturdidas, sem saber que caminho tomar. O filme era em preto e branco e a foto colorida ou quase,  mas a semelhança é flagrante, ambas como um não-lugar, um espaço para pensarmos que a vida é breve, nós somos mortais, mas a grande beleza é eterna.
_
Jorge Bodanzky é fotógrafo e cineasta. Seu trabalho caminha entre a estática e a cinética pelo menos desde 1964, quando vai à Brasília integrar a primeira turma da UnB, sendo aluno de Amélia de Toledo, Athos Bulcão e Luiz Humberto no curso de arquitetura. Já em 1965, o futuro diretor de Iracema, uma transa amanzônica (1974) tem seu trabalho exposto na 8ª Bienal de Arte de São Paulo.
Leia também Luigi Ghirri por Agnaldo FariasBob WolfensonJoão Bandeira e Laura Gasparini.

Para mais informações sobre a exposição Luigi Ghirri – pensar por imagens no IMS do Rio de Janeiro clique aqui.

© Herdeiros de Luigi Ghirri