Notícias

Imagens de assentamentos de refugiados feitas com câmera térmica dão ao irlandês Richard Mosse o prêmio Pictet 2017

Publicado em: 04 de maio de 2017

A série Mapas de calor, do fotógrafo irlandês Richard Mosse (1980), foi a vencedora do Pictet 2017. O anúncio foi feito por Kofi Annan, ex-presidente da ONU e presidente de honra do júri do prêmio, na cerimônia de abertura da exposição dos 12 finalistas no Museu Victoria & Albert, em Londres.

Mapas de calor registra assentamentos de refugiados por meio de uma câmera térmica de uso militar, capaz de detectar a temperatura de pessoas e objetos a uma distância de até 30 km. Mosse usou a tecnologia da câmera para escanear os locais dos acampamentos e criar imagens panorâmicas detalhadas, algumas delas compostas por centenas de fotografias individuais. As imagens também mostram jornadas de imigrantes através da Europa, Oriente Médio e norte da África.

O uso da câmera de vigilância reforça a descaracterização do indivíduo, que, sem a distinção de traços físicos ou faciais, parece ser visto como mera estatística. Junte-se a isso a sensação de ameaça que este tipo de imagem suscita no imaginário das pessoas e fica explícita a mensagem que Mosse quer passar a respeito de como os refugiados são recebidos em cada país.

O uso de diferentes formatos e tecnologias para capturar imagens não é novidade na carreira de Mosse, assim como o tema de guerras e conflitos contemporâneos. Em 2011, ele fotografou a luta dos rebeldes no leste da República Democrática do Congo com o Kodak Aerochrome, um filme infravermelho usado para vigilância que transforma a cor verde em tons de rosa e vermelho. O resultado deu origem à série O Enclave, uma visão psicodélica de guerrilheiros e campos de batalha que lhe valeu o Prêmio Deustche Boërse em 2014.

Os outros 11 fotógrafos que participarão da exposição são: Mandy Barker (Inglaterra), Saskia Groneberg (Alemanha), Beate Guetschow (Alemanha), Rinko Kawauchi (Japão), Benny Lam (Hong Kong), Sohei Nishino (Japão), Sergey Ponomarev (Rússia), Thomas Ruff (Alemanha), Munem Wasif (Bangladesh), Pavel Wolberg (Rússia) e Michael Wolf (Alemanha).

Cada edição do prêmio é temática, e abrange questões ligadas à sustentabilidade: Água, Terra, Crescimento, Energia, Consumo, Desordem e, nesta sétima edição, Espaço. Os seis premiados anteriores foram: Benoit Aquin, Nadav Kander, Mitch Epstein, Luc Delahaye, Michael Schmidt e Valérie Belin.///

Tags: ,

  • Julio Appel

    Trabalho fantástico!!