Photography Grant

Dora Longo Bahia and Vijai Patchineelam are the 2016 Photography Grant winners

Publicado em: Monday July 25th, 2016

zum_cartaz_final_02-3

ZUM Magazine and Instituto Moreira Salles announce the two winning projects of the ZUM/IMS Photography Grant 4th edition:

Brazil x Argentina (Amazon and Patagonia), by Dora Longo Bahia – proposal of an audiovisual installation made with photographs and videos portraying the meltdown of the Perito Moreno glaciers and the Amazon rainforest fires.

Dora Longo Bahia (São Paulo/SP – 1961)

Holds a PhD in visual poetics by ECA/USP, where she teaches, and a postdoc in philosophy by FFLCH/USP. Exhibits in Brazil and internationally since the 1980s. Multimedia artist, her works touch on topics such as violence, sex and death.

 

Sambashiva – The Photographs of Sambasiva Rao Patchineelam, by Vijai Patchineelam: a research project within the photographic archive of scientist Sambasiva Rao Patchineelam, aiming at the publication of an artist’s book discussing issues like authorship, edition and image appropriation.

Vijai Patchineelam (Niterói/RJ – 1983)

PhD by the Royal Academy of Fine Arts (Antwerp) in 2016, graduated in industrial design by Federal University of Rio de Janeiro in 2007. Participated in many group and solo exhibitions, besides residencies in Brazil and internationally. His work combines photography, video and publications.

 

 

Besides each project’s artistic quality, the jury also evaluated the candidates’ qualifications and the practical feasibility of their proposal. This year, the grant received 819 projects from every region in Brazil, besides material sent by Brazilians living outside the country.

The goal of this grant is to foment the work of photographers and artists in the photography field, in its most diverse branches, with no restriction of theme, profile or support. Each selected participant will receive a R$ 65,000 grant and will have eight months to develop their work. The final result of the winning projects will be added to Instituto Moreira Salles’ Photography Collection.

 

The two wining projects of ZUM/IMS Photography Grant 2015 were Masters of Cerimony, by Bárbara Wagner, and Memento, by Trëma Collective.

 

Jury 2016:

Luiz Camillo Osório, art critic and Aesthetics and Art History teacher at UniRio and PUC-Rio

Thyago Nogueira, ZUM’s editor and contemporary photography coordinator at IMS

Heloisa Espada, visual arts coordinator at IMS

Lorenzo Mammì, events curator at IMS

Sergio Burgi, photography coordinator at IMS

///

 

Tags: ,

  • Guilherme Veloso

    Ahh entendi, a comissão julgadora avalia a “qualificação dos candidatos”… Então a bolsa é só pra Doutores mesmo né…

    Um puta incentivo pro mundo dos fotógrafos..

    • Wesley Passos

      Ainda bem que não perdi meu tempo! Até porque sou apenas um cara que nem se quer concluiu a faculdade :/

    • COISASDEFUSCA

      concordo.

  • Marcos

    Parabéns aos ganhadores.

  • Ítalo Mongconãnn

    Uma baita sacanagem esse concurso. O edital traz “incentivo para fotógrafos iniciantes” e quem leva a bolsa são doutores com experiência. Total perca de tempo e desrespeito.

    • LUCIANA MELO

      também acho Italo, isso deveria ficar mais claro no Edital.

  • Carlos

    É só pra Doutores mesmo. O que normalmente se espera de um concurso com bolsa é a descoberta de novos talentos e o incentivo a cultura. Ledo engano.

  • Miriane Figueira

    Meus caros, a Zum acredita em meritocracia. Quem tem o tal do lattes mais extenso ganha a bolsa.
    Valeu zum por mais uma vez excluir os iniciantes e premiar doutores…

  • LUCIANA MELO

    é um absurdo um edital que não esclarece de forma real que a qualificação academica é levada em consideração! Vendo todo o histórico dos ganhadores anteriores, vemos que a maioria são mestres ou doutores. Por favor nos esclareça melhor das próximas vezes, pois gastei muito tempo e uma grana para produzir um portfolio pensando que estaria participando de algo que deu a entender que era aberto a propostas interessantes de projetos que prezem também pela estética fotográfica. O perfil de vcs está mais para teses de antropologia e sociologia do que fotografia. abs

  • Patrícia

    Um puta incentivo aos iniciantes HAHAHHAHAHAHAHAH
    Piada pronta mesmo

  • Rogerio Resende

    Lamentável mesmo. Se soubesse que a formação dos candidatos era mais importante do que o projeto em si não teria perdido meu tempo nem meu dinheiro me inscrevendo. Fica a lição. Se algum dia me graduar doutor em alguma cadeira eu volto a vos procurar.

  • Cristina Gallo

    Uma pena o IMS tratar a bolsa que é para iniciantes desta forma. Qualificação?!?!?! A imagem do instituto fica manchada com tal atitude. No edital isto devia ficar claro, afinal os fotógrafos perdem tempo, dinheiro e depois são surpreendidos com esta história de qualificação. Há muito tempo atrás me disseram que a bolsa tinha cartas marcadas e eu não quis acreditar…..

    • COISASDEFUSCA

      Envolvendo dinheiro…infelizmente sempre tem as cartas. Isso nao e coisa so de Brasilia nao.
      Pessimo.

    • Também soube das cartas e de pessoa de dentro da instituição, mas a gente sempre tenta, né… rs.

      Menos um prêmio pra perder tempo nos próximos anos. 😉

  • COISASDEFUSCA

    concordo com voces.. ou é doutorado, ou é das gringas.Essa eterna pagação de pau. Nao sei como perco tempo com esse povo.Ou, coisas da verba..

  • Felipe Vernizzi

    Lamentável mesmo. Já que perdi meu tempo com a realização e o envio, aproveito para divulgar minhas fotos aqui: http://www.felipevernizzi.com

  • Edemar Miqueta

    O edital deve ser reescrtito para as próximas versões. Pré requisito, doutorado. Prova de títulos acadêmicos.

  • Guilherme Mendonça

    Pessoal, eu também me inscrevi e não fui selecionado, mas não concordo com as reclamações aqui colocadas. Alguns colegas alegaram:

    1 – “Que o edital deveria mencionar o quesito ‘qualificação’ aos candidatos”.
    Porém, o edital menciona sobre isso no item abaixo:

    4.2. A Comissão de Seleção levará em consideração as seguintes diretrizes norteadoras na avaliação dos projetos:

    qualidade artística;
    qualificação do candidato; e
    viabilidade prática.

    2 – “Que deveriam especificar que se trata de um edital para doutores”.
    O edital não especifica que se trata de “qualificação acadêmica”.
    “Qualificação” pode estar associada à qualificação profissional, artística, acadêmica, ou a somatória dos fatores.
    E ainda tem os quesitos de avaliação artística e viabilidade do projeto.
    Eles querem saber se o candidato possui, também, bagagem (eles não vão depositar 65 mil reais nas mãos de quem eles não acreditam que possam, de fato, realizar o projeto com qualidade e no prazo estabelecido).

    3 – “Que assim o edital não incentiva a carreira de fotógrafos iniciantes”

    O edital não especifica “iniciantes”, reparem:

    1. Do objeto

    Constitui objeto do presente edital a seleção de dois projetos de criação fotográfica inéditos. O objetivo da Bolsa de Fotografia do Instituto Moreira Salles é permitir que artistas e fotógrafos desenvolvam e aprofundem sua produção no campo da fotografia, nas mais variadas vertentes, sem restrição de tema, perfil ou suporte (…)

    2. Das condições

    2.1. Estão aptas a participar do concurso pessoas físicas, incluindo coletivos de artistas e de fotógrafos, e estrangeiros radicados no Brasil há, no mínimo, 1 ano.

    Enfim, é isso, pessoal. Não desmerecendo os projetos (que acredito que são muito bons) dos colegas que não foram contemplados, mas acho que faltou uma leitura mais atenta ao edital.
    E parabéns aos ganhadores! 🙂
    Abraços